Comitê Gestor do Simples Nacional regulamenta o parcelamento de débitos do MEI

Enquete

O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Cotações e Índices

Moedas - 17/10/2017 09:29:28
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,176
  • 3,177
  • Paralelo
  • 3,140
  • 3,300
  • Turismo
  • 3,050
  • 3,300
  • Euro
  • 3,735
  • 3,736
  • Iene
  • 0,028
  • 0,028
  • Franco
  • 3,249
  • 3,249
  • Libra
  • 4,190
  • 4,192
  • Ouro
  • 130,780
  •  
Mensal - 09/10/2017
  • Índices
  • Ago
  • Set
  • Inpc/Ibge
  • -0,03
  • -0,02
  • Ipc/Fipe
  • 0,10
  • 0,02
  • Ipc/Fgv
  • 0,13
  • -0,02
  • Igp-m/Fgv
  • 0,10
  • 0,47
  • Igp-di/Fgv
  • 0,24
  • 0,62
  • Selic
  • 0,81
  • 0,64
  • Poupança
  • 0,56
  • 0,55
  • TJLP
  • 0,58
  • 0,58
  • TR
  • 0,05
  • -

Obrigações do Dia

  • 20/Outubro/2017 – 6ª Feira
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte
  • Cofins/CSL/PIS-Pasep | Retenção na Fonte
  • COFINS/PIS-Pasep | Entidades financeiras
  • INSS | Previdência Social
  • EFD - Contribuintes do IPI | Pernambuco e Distrito Federal
  • Simples Nacional
  • IRPJ/CSL/PIS/COFINS | Incorporações imobiliárias | Regime Especial de Tributação – PMCMV
  • IRPJ/CSL/PIS/COFINS | Incorporações imobiliárias | Regime Especial de Tributação
  • Previdência Social (INSS) | Parcelamento excepcional de débitos de Pessoas Jurídicas
  • Parcelamento especial da Contribuição Social do salário-educação
  • Previdência Social (INSS) | Parcelamento Especial de Débitos - PAES
  • Informe de Rendimentos Financeiros - PJ

A Resolução CGSN nº 133 determina, dentre outras medidas, que se consideram bens do ativo imobilizado ativos tangíveis cuja desincorporação ocorra a partir do 13º mês contado da respectiva entrada. Enquadram-se nessa classificação os bens que sejam disponibilizados para uso na produção ou fornecimento de bens ou serviços, ou para locação por outros, para investimento, ou para fins administrativos.

Dispõe, também, que o substituído tributário do ICMS deve ser entendido como o contribuinte que teve o imposto retido, bem como o contribuinte obrigado à antecipação com encerramento de tributação. 

A Resolução ratifica a competência da Receita Federal (RFB) para o parcelamento de débitos do Microempreendedor Individual (MEI), salvo quando houver a transferência dos valores de ICMS ou ISS para a inscrição em dívida ativa estadual ou municipal.

A norma estende até 31 de dezembro de 2018 a autorização para que a RFB conceda reparcelamento do Simples Nacional sem o recolhimento antecipado de 10% ou 20%, previstos no artigo 53 da Resolução CGSN nº 94/2011.

A Recomendação CGSN nº 6 dispõe que o Estado, o Distrito Federal ou o Município que pretenda fazer uso da prerrogativa constante dos §§ 18 a 20-A do art. 18 da Lei Complementar nº 123/2006 deverá adequar suas normas legais relativas à concessão de isenção ou redução de ICMS ou de ISS à nova forma de tributação instituída pela Lei Complementar nº 155/2016. A adequação deverá obedecer à nova configuração das tabelas vigentes a partir de 2018, estipulando as faixas de receita bruta abrangidas pelo benefício, bem como a isenção ou os respectivos percentuais de redução.

A Resolução CGSN nº 134, que regulamenta o parcelamento especial de débitos do Microempreendedor Individual (MEI), previsto no art. 9º da Lei Complementar nº 155/2016. A partir de 03 de julho de 2017, o MEI que tenha débitos com a Receita Federal relativos a competências até maio de 2016 poderá optar pelo parcelamento da dívida em até 120 meses, com prestação mínima de R$ 50,00.

É condição para o parcelamento a apresentação da Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual (DASN-SIMEI), relativa aos respectivos períodos a serem parcelados. A primeira parcela deverá ser paga, em regra, até dois dias após o pedido ou até o último dia útil do mês, o que for menor.

O pedido de parcelamento especial deverá ser apresentado até as 20h (vinte horas), horário de Brasília, do dia 29 de setembro de 2017, exclusivamente por meio do sítio da RFB na Internet, nos Portais e-CAC ou Simples Nacional.

Também a partir de 3 de julho de 2017, o MEI poderá pedir o parcelamento convencional, com prazo máximo de 60 meses e parcela mínima também de R$ 50,00. Nessa modalidade poderão ser parcelados todos os débitos até o último período declarado na DASN-SIMEI.

A Receita Federal editará nos próximos dias uma instrução normativa com regras complementares sobre o parcelamento de débitos do Microempreendedor Individual.

Fonte: fenacon.org.br    

Desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
LF Contabilidade  |  Rua Bernardino Fanganiello, 731 - Casa Verde - São Paulo / SP - CEP 02512 000   |   Fone: 11. 3856 6126