Especialistas dão dicas para que empresários se preparam para ano que será atípico

Enquete

O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Cotações e Índices

Moedas - 14/12/2017 16:22:27
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,339
  • 3,340
  • Paralelo
  • 3,230
  • 3,480
  • Turismo
  • 3,200
  • 3,470
  • Euro
  • 3,936
  • 3,938
  • Iene
  • 0,030
  • 0,030
  • Franco
  • 3,378
  • 3,378
  • Libra
  • 4,483
  • 4,485
  • Ouro
  • 134,720
  •  
Mensal - 22/11/2017
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • -0,02
  • 0,37
  • Ipc/Fipe
  • 0,02
  • 0,32
  • Ipc/Fgv
  • -0,02
  • 0,24
  • Igp-m/Fgv
  • 0,47
  • 0,20
  • Igp-di/Fgv
  • 0,62
  • 0,10
  • Selic
  • 0,64
  • 0,64
  • Poupança
  • 0,55
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,58
  • 0,58
  • TR
  • -
  • -

Obrigações do Dia

  • 15/Dezembro/2017
  • CIDE | Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico
  • COFINS/PIS-PASEP | Retenção na Fonte – Autopeças
  • INSS | Previdência Social

Um bom e antecipado planejamento empresarial com o intuito de se preparar para o ano seguinte é essencial para a saúde e o andamento de uma empresa. Isto é consenso entre especialistas e até entre os próprios empresários. Mas será que isso acontece na prática? E quando ocorre o planejamento, ele é feito de forma correta?

De acordo com o vice-presidente do Sindicato das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações, Pesquisas e de Serviços Contábeis de Londrina e Região (Sescap-Ldr), Euclides Nandes Correia, o ideal é que o planejamento orçamentário para o ano subsequente seja feito já a partir do mês de setembro. Ele observa, ainda, que 2018 será um ano atípico, com eleições presidenciais e Copa do Mundo, eventos que influenciarão na rotina e faturamento das empresas. "O empresário precisa direcionar sua empresa para não navegar sem um norte, pois corre o risco de chegar a um lugar que não seja estratégico. O planejamento envolve olhar o futuro e tangibilizar essas mudanças no presente".

Este planejamento, conforme explica o presidente do Sescap-Ldr, Jaime Cardozo, precisa levar em conta o atual momento econômico. "Muitas empresas tiveram que reduzir custos, fazer demissões, porque o faturamento diminuiu substancialmente. Com isso, muitas se endividaram. Algumas conseguiram parcelar suas dívidas e isso precisa ser considerado dentro do planejamento, para que não afete ainda mais as contas dessas empresas", orienta. 

Correia reitera que "as empresas devem continuar fazendo a lição de casa, ou seja, diminuir custos, revisar processos e melhorar o atendimento para aumentar sua lucratividade. Para as empresas em que o endividamento está interferindo no caixa, será necessário analisar o perfil da dívida e renegociá-la".

O advogado tributarista Carlos Crespi complementa, ressaltando que o planejamento tributário também é de extrema importância para o empresário. "Como a carga tributária tem impacto direto nos resultados de qualquer empresa, o empresário deve, acima de tudo, conhecer os tributos que incidem sobre as suas operações e as eventuais alternativas que a lei coloca à sua disposição. Com isso, poderá avaliar melhor a viabilidade de determinados negócios e, principalmente, tomar decisões que deixem sua atividade mais competitiva e rentável".

Crespi explica que, no plano federal, por exemplo, a legislação prevê três modalidades distintas de tributação das receitas e do lucro, conhecidas como "lucro real", "lucro presumido" e "simples". Com exceção desta última, que se aplica somente aos estabelecimentos de micro e pequeno portes, as demais podem ser adotadas pela maior parte das empresas. "Saber se determinada modalidade é mais vantajosa que a outra, porém, exige do administrador uma série de cálculos, que só poderão ser feitos se ele tiver a exata compreensão do que a lei manda ou permite. Uma vez que a opção por um desses regimes de tributação será definitiva para todo o exercício, o empresário deve preparar-se com bastante antecedência".

Euclides Correia ressalta que "o empresário contábil é o assessor adequado para analisar a situação atual e enquadrar a empresa no cenário tributário do próximo ano, pois a contabilidade das empresas demonstram o histórico dos custos que possibilitam a projeção dos novos custos. Além disso, um bom profissional contábil acompanha a legislação tributária e está apto a assessorar no enquadramento".

Fonte:Sindicato das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações, Pesquisas e de Serviços Contábeis de Londrina e Região (Sescap-Ldr).

Desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
LF Contabilidade  |  Rua Bernardino Fanganiello, 731 - Casa Verde - São Paulo / SP - CEP 02512 000   |   Fone: 11. 3856 6126