Salário mínimo necessário para sustentar família volta a subir

Enquete

O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Cotações e Índices

Moedas - 23/02/2018 16:09:06
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,239
  • 3,240
  • Paralelo
  • 3,200
  • 3,370
  • Turismo
  • 3,220
  • 3,420
  • Euro
  • 3,982
  • 3,984
  • Iene
  • 0,030
  • 0,030
  • Franco
  • 3,460
  • 3,460
  • Libra
  • 4,524
  • 4,526
  • Ouro
  • 138,720
  •  
Mensal - 15/01/2018
  • Índices
  • Nov
  • Dez
  • Inpc/Ibge
  • 0,18
  • 0,26
  • Ipc/Fipe
  • 0,29
  • 0,55
  • Ipc/Fgv
  • 0,36
  • 0,21
  • Igp-m/Fgv
  • 0,52
  • 0,89
  • Igp-di/Fgv
  • 0,80
  • 0,74
  • Selic
  • 0,57
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,58
  • 0,58
  • TR
  • -
  • -

Obrigações do Dia

  • 28/Fevereiro/2018
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras
  • COFINS/PIS-PASEP | Retenção na Fonte – Autopeças
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração mensal
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração trimestral
  • IRPJ | Imposto de Renda Pessoa Jurídica | Renda variável
  • IRPJ/Simples Nacional | Ganho de Capital na alienação de Ativos
  • IRPF | Imposto de Renda Pessoa Física
  • FINOR/FINAM/FUNRES | Apuração mensal
  • FINOR/FINAM/FUNRES | Apuração trimestral
  • REFIS/PAES | Programa de Recuperação Fiscal
  • REFIS | Programa de Recuperação Fiscal
  • PAEX 1 | Parcelamento Excepcional
  • PAEX 2 | Parcelamento Excepcional
  • Simples Nacional | Parcelamento Especial
  • INSS | Previdência Social | Simples Nacional | Parcelamento Especial
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro | Profut || Parcelamento de débitos junto à RFB e à PGFN
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Recuperação Previdenciária dos Empregadores Domésticos - Redom (Parcelamento de débitos em nome do empregado e do empregador domésticos junto à PGFN e à RFB)
  • DOI | Declaração de Operações Imobiliárias
  • DME | Declaração de Operações Liquidadas com Moeda em Espécie
  • Contribuição Sindical | Autônomos e Profissionais Liberais
  • IPI (DIF-Papel Imune)
  • Dimob | Declaração de Informações sobre Atividades Imobiliárias
  • Decred | Declaração de Operações com Cartões de Crédito
  • Dirf | Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte (Dirf)
  • Dmed | Declaração de Serviços Médicos e de Saúdes
  • Comprovante Eletrônico de Rendimentos Pagos e de Imposto sobre a Renda Retido na Fonte
  • Comprovante Eletrônico de Pagamentos de Serviços Médicos e de Saúde
  • Comprovante de Rendimentos - Pessoas Físicas
  • Comprovante Anual de Rendimentos - Pessoas Jurídicas
  • Informe de Rendimentos Financeiros
  • Comprovante Anual de Retenção do IRPJ/CSL/Cofins/PIS-Pasep
  • Comprovante Anual de Retenção da CSL/Cofins/PIS-Pasep

O cálculo do salário mínimo "necessário" é feito mensalmente desde 1994 pelo Dieese com base no valor da cesta básica mais cara

São Paulo – Qual é o valor suficiente “para suprir as despesas de um trabalhador e sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência”?

R$ 3.752,65, de acordo com uma estimativa divulgada do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

O cálculo é feito mensalmente desde 1994 com base no valor da cesta básica mais cara, atualmente a de Porto Alegre (R$ 446,69), seguida do Rio de Janeiro (R$ 443,81) e São Paulo (R$ 439,20).

O custo da cesta básica aumentou em todas as 20 capitais analisadas em janeiro, com destaque para João Pessoa (11,91%), Brasília (9,67%), Natal (8,85%).

O resultado é que o salário mínimo “suficiente” de janeiro foi 167 reais mais alto do que os R$ 3.585,05 de dezembro, o valor mais baixo desde 2015.

Novo valor
Desde o começo do ano está valendo o novo valor do salário mínimo: R$ 954, um aumento de R$ 17 em relação ao ano anterior.

Foi o menor reajuste do salário mínimo em 24 anos. A fórmula para os aumentos foi estabelecida por lei em 2012, ainda no governo da então presidente Dilma Rousseff, e deve valer até 2019.

Ela determina que o reajuste anual tem como base a soma da variação do INPC (inflação para população de baixa renda) no ano anterior, acrescido da taxa de crescimento real do PIB dois anos antes.

O valor do reajuste do mínimo em 2018 acabou ficando um pouco abaixo da inflação por uma diferença na estimativa do governo, mas não será revisto.

Segundo o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, a lei de reajuste do salário mínimo prevê que pequenas variações possam ocorrer, sendo compensadas no ano seguinte.

O salário mínimo “suficiente” atual de R$ 3.752,65 representa cerca de 3,9 vezes o valor do salário mínimo nominal.

Em janeiro do ano passado, a relação era levemente mais desigual: os R$ 3.811,29 do “necessário” representavam 4 vezes o valor do mínimo de R$ 937,00 então em vigor.

Consequências
Em um vídeo de 2015, o economista Carlos Eduardo Gonçalves previu consequências negativas se o salário mínimo “necessário” do Dieese fosse estabelecido por lei:

“O que vai acontecer com a pessoa hoje empregada que ganha um salário baixo? (…) Você acha que elas vão continuar todas empregadas ganhando R$ 3.700 ou elas vão ser mandadas emboras porque a contribuição delas pro produto final da empresa não vale esses R$ 3.700?”.

Fonte: https://exame.abril.com.br/economia/salario-minimo-necessario-para-sustentar-familia-volta-a-subir/

Desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
LF Contabilidade  |  Rua Bernardino Fanganiello, 731 - Casa Verde - São Paulo / SP - CEP 02512 000   |   Fone: 11. 3856 6126